Debate sobre refugiados e migrantes contou com a presença de dois eurodeputados

    3 Fevereiro, 2020 197

    No passado dia 31 de janeiro, o CIED Minho esteve presente no IV Chá Debate da Escola Embaixadora do Parlamento Europeu do Agrupamento de Escolas Camilo Castelo Branco, em Vila Nova de Famalicão, para debater a crise migratória da União Europeia com a comunidade local. Sob o título “Migrantes e Refugiados: uma ameaça ou uma oportunidade para a Europa?”, a comunidade estudantil teve a possibilidade de refletir sobre uma realidade que tem vindo a causar um debate bastante intenso em alguns países europeus. Nesta sessão, para além do apoio com material informativo e merchandising, o CIED Minho aproveitou esta oportunidade para lançar uma metodologia-piloto na região do Minho que permitirá aumentar a interatividade com o público e recolher as opiniões dos mesmos relativamente à temática em discussão.

    Através desta nova metodologia, o CIED Minho teve a possibilidade de colocar algumas questões ao público. A título de exemplo, percebemos que a maior parte do público compreende que este projeto europeu é um projeto de união entre os povos e de paz, e no que diz respeito à temática do evento e se o público concorda com a integração dos refugidos e migrantes na sociedade europeia, foi possível concluir que mais de 80% do público presente era a favor da integração dos migrantes e refugiados na União Europeia.

    O debate contou com a presença dos deputados do Parlamento Europeu José Manuel Fernandes (Partido Popular Europeu) e Sandra Pereira (Esquerda Unitária Europeia/Esquerda Nórdica Verde), Augusto Lima (Vereador da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão), José Salcedo (empreendedor), e Paulo Oliveira (Vice-diretor do Agrupamento de Escolas Camilo Castelo Branco).

    Após umas curtas palavras de agradecimento aos presente por Paulo Oliveira, foi a vez de Augusto Lima, Vereador da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, abrir o debate referindo aquilo que de melhor se tem feito neste âmbito no concelho de Vila Nova de Famalicão e evidenciando a importância dos migrantes e refugiados para a sociedade europeia. Também José Salcedo enfatizou a importância de Portugal vir a receber refugiados e migrantes. No terceiro concelho mais exportador e um dos mais industriais do país, vereador e investigador apontaram a necessidade de reforçar e rejuvenescer mão-de-obra e sobretudo o interesse por quadros qualificados como transversais a toda a economia, mas com reflexo especial na indústria e também na agricultura.

    Por sua vez, José Manuel Fernandes referiu que “Perante o envelhecimento progressivo da população europeia e da evolução do peso cada vez maior de África na população mundial, com particular efeito ao nível da juventude, é do interesse estratégico dos países europeus acolher de forma estruturada imigrantes, para garantirem um futuro sustentável, tanto a nível demográfico e social, como económico”, e rematou dizendo que “Apesar das oportunidades, este é um mundo injusto. Nós europeus, devemos lutar sempre pelos valores que aqui temos a oportunidade de viver. Mas temos também a responsabilidade de ajudar que os outros seres humanos possam aceder e viver beneficiando dos mesmos valores”. Sandra Pereira preferiu realçar a necessidade de salvar as milhares de vidas que anualmente ousam atravessar o mar mediterrâneo em busca de uma nova vida.