Para usufruir de todas as funcionalidades deste site necessita de ter o Javascript activado!

Uma em cada quatro crianças vive em risco de pobreza ou de exclusão social na UE

sexta-feira , 20 Novembro 2015

Crescer numa situação de pobreza pode ter repercussões durante toda a vida. A pobreza infantil é uma realidade na UE: uma em cada quatro crianças vive em risco de pobreza e de exclusão social. Os eurodeputados debatem esta segunda-feira, 23 de novembro, e votam no dia seguinte, um relatório em que urgem os Estados-Membros a reforçar o combate à pobreza infantil e às desigualdades sociais.

Segundo a Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos das Crianças, todas as crianças têm direito à educação, aos cuidados de saúde, alojamento, ao lazer e a uma alimentação equilibrada. No entanto, na Europa isto nem sempre acontece. De acordo com o Eurostat, em 2014, cerca de 26 milhões de crianças e jovens (menores de 18 anos) viviam em risco de pobreza e de exclusão social, ou sejam 27,7% de todas as crianças que vivem na UE.

Há crianças a viver em risco de pobreza em todos os Estados-Membros. Os países com maior percentagem de crianças a viver em risco de pobreza são a Roménia (51%), a Bulgária (45,2%) e a Hungria (41,4%). Em Portugal são quase um terço das crianças: 31,4%. Os países com as percentagens mais baixas são a Dinamarca (14,5%), a Finlândia (15,6%) e a Suécia (16,7%)

A subnutrição também está a crescer entre as crianças europeias. De acordo com a UNICEF, na Estónia, Grécia e Itália, a percentagem de crianças que não pode permitir-se a comer carne ou peixe de dois em dois dias duplicou desde 2008.


Pobreza infantil é um fenómeno multidimensional

A pobreza não é apenas uma questão de dinheiro. Para além de incluir a incapacidade de assegurar despesas básicas como a alimentação, o vestuário e a habitação; a pobreza também está ligada à exclusão social e à falta de acesso a cuidados de saúde e educação de qualidade.

As crianças que vivem em famílias monoparentais, especialmente com as mães, também se encontram em maior risco de pobreza.

Na segunda e na terça-feira, os eurodeputados debatem e votam o relatório da comissão parlamentar do Emprego e dos Assuntos Sociais. O relatório elaborado pela eurodeputada portuguesa Inês Zuber (CEUE/EVN) faz uma série de recomendações aos Estados-Membros e à Comissão Europeia para combater "as alarmantes taxas de pobreza infantil na Europa".

"As políticas de austeridade criaram esta situação e o problema está a piorar. Os Estados-Membros têm que assegurar às crianças e às suas famílias o acesso à educação, à saúde, à segurança social e é necessário fazer face ao desemprego, promover a segurança do emprego e redes parentais-educacionais e sociais, alimentação equilibrada e alojamento adequado", defende Inês Cristina Zuber.

Aceda aqui à notícia original e à percentagem de crianças em risco de pobreza por Estado-Membro

 

Sétima - Tecnologias da Informação e Comunicação Lda